Começa hoje o Paulistão 2018 – E o Kiko?

(por Lucas Souza Dorta)

O Paulistão perdeu um pouco do charme e precisa de mudanças, mas dizer que a competição não vale nada é exagero.

As competições estaduais abrem o calendário do futebol brasileiro e é o momento do torcedor matar a saudade do seu clube de coração. Com a globalização do esporte bretão e a prioridade dos grandes times em outros campeonatos, os torneios como o Paulistão perderam um pouco do seu charme e todo início de ano é comum ver jornalistas desvalorizando ou demonizando os estaduais, colocando esses tipos de torneios como responsáveis pelos problemas do futebol brasileiro.
Lógico que o Campeonato Paulista e outras competições precisam ser reformuladas e adaptadas para uma realidade atual do futebol e o valor do título não é o mesmo de antigamente. Acredito até que há um excesso de jogos desinteressantes e alguns estados poderiam se juntar com outros para fazer um campeonato mais forte, mas isso não quer dizer que todo torcedor deve comprar a ideia de que o Paulistão não vale nada.
Então vamos quebrar alguns mitos e observar alguns pontos que mostram que o Paulistão não deve simplesmente acabar.

O Torcedor liga sim !
Vamos tentar quebrar esse mito criado por alguns jornalistas de que “torcedor não liga muito”. Eu duvido que você que está lendo esse texto não tenha ficado irritado com uma eliminação ou derrota de seu time em algum clássico ou com uma eliminação vexatória para um time do interior que tem no estadual a chance de fazer história. Eu duvido que ninguém tenha guardado na memória uma vitória épica contra um rival. Aposto que todo torcedor de um clube paulista deve ter um jogo inesquecível do Paulistão, seja aquele título emocionante ou uma derrota dolorida que será lembrada para sempre.
Se o time começar ter péssimos resultados a torcida já vai pedir a cabeça do treinador e xingar vários jogadores da equipe. Caso o árbitro cometer um erro grave em algum jogo decisivo eu duvido que a maioria dos torcedores não ficarão bravos. Para quem acha que o Paulistão não vale nada, basta olhar imagens dos jogos decisivos com torcedores tensos, nervosos e eufóricos na partida que pode definir o futuro de sua equipe. Os momentos de tensão e euforia também vão para dentro do campo com discussões entre jogadores, além das rodinhas pra cima da arbitragem. Se não valesse nada mesmo, qual seria o motivo das emoções a flor da pele no campo e na arquibancada ?
E quando for definido o campeão com certeza você vai ver torcedores fazendo posts no face e gritando nas ruas ou tirando sarro do amigo, além disso, para muitos times em crise o título estadual é a chance da equipe ao menos dar uma amenizada na pressão.
Portanto não há como dizer que não vale nada ou o que o torcedor não liga.

Rivalidades e partidas históricas
Muitas das rivalidades históricas que existem hoje no Brasil cresceram por causa das disputas dos campeonatos estaduais, principalmente no Paulistão, onde há jogos decisivos que afloram a rivalidade entre os clubes gigantes ou até mesmo entre os times do interior de São Paulo. Alguns desses rivais se enfrentam em torneios nacionais, mas nem sempre os jogos têm um caráter tão decisivo quanto um mata – mata de Campeonato Paulista, por exemplo.
É nos confrontos de vida ou morte do Paulistão que surgiram partidas históricas, lembradas em reportagens sobre jogos do futebol brasileiro que marcaram época no passado. Sem os estaduais os clássicos teriam perdido um pouco da história e da rivalidade, já que partidas decisivas ocorreriam com menor frequência. É bom lembrar que existem estados onde os rivais ficam constantemente em divisões diferentes do futebol nacional e o estadual é uma das poucas chances dos times se enfrentarem.
Portanto em certames de nível estadual há a oportunidade de o torcedor ver o seu time disputar um título ou partida decisiva contra um rival e acompanhar uma derrota ou vitória que poderá ficar marcada entre os grandes jogos do futebol brasileiro ou em sua própria memória futebolística.

Vitrine para jogadores de times de menores centros
O Brasil está cheio de jogadores que buscam no esporte uma forma de subir socialmente na vida e dar uma condição melhor para seus familiares. Muitos desses atletas ficam pelo caminho. Outros dão certo e conseguem uma boa carreira. Tem também aqueles que rodam pelo país e esperam sua oportunidade e é aí que podemos falar sobre a “responsabilidade social” dos estaduais. Esses tipos de torneios podem significar a oportunidade de muitos jogadores de times pequenos aparecerem na mídia e assim chamar atenção de clubes maiores. Não é difícil ver clubes do topo da pirâmide do futebol nacional interessados em algum destaque de uma equipe menor que disputou algum certame regional. Se os estaduais fossem extintos a gente não perderia a oportunidade de revelar jogadores? Sem os pequenos será que bons jogadores sem tantas oportunidades ficariam sem espaço para mostrarem serviço?
Se repararmos na história das grandes equipes campeãs do futebol brasileiro sempre haverá alguém revelado no time do interior ou que teve que passar por vários times menores para alcançar a glória.

Atração para cidades do interior e oportunidades para times sem espaço na mídia
Em São Paulo há um clima legal nas cidades que tem o time disputando o Paulistão. Lógico que em alguns municípios não existe tanta identificação com o clube local. Tem também o preço de ingresso que afasta a população do estádio, porém para algumas cidades ter a equipe disputando uma competição de grande mídia sempre é uma atração para a população. O clube de uma cidade do interior pode ser um dos principais assuntos nas conversas e na mídia local e isso fica ainda maior quando um grande vai jogar no interior. Esses fatores também podem se transformar em uma oportunidade de movimentação da economia do município.
Portanto o campeonato estadual oferece ao torcedor que mora fora da capital a oportunidade de ficar mais próximo de assistir seu clube de coração no estádio ou torcer para o time de sua cidade conseguir um resultado histórico contra um grande da capital.
Para os mais românticos tem também os estádios do interior que ainda contam com o alambrado, arquibancada de cimento, além dos vendedores ambulantes de pipoca e espetinhos. Parece algo insignificante, mas com a elitização é cada vez mais difícil ver esse tipo de coisa em torneios de níveis maiores e quem quiser curtir esse futebol mais nostálgico pode acompanhar nos campeonatos estaduais.

O que fazer com campeonatos como o Paulistão?
Os estaduais, devem ser reformulados com regulamentos mais atrativos, melhores condições financeiras aos times do interior. preços mais acessíveis para atrair o torcedor, bom trabalho de marketing com times do interior, melhor distribuição das cotas de TV, além de um bom planejamento.
Apesar de não ter a mesma importância de antigamente, matar de uma vez os torneios estaduais pode quebrar um pouco da parte cultural e histórica do futebol brasileiro e marginalizar ainda mais os times do interior, deixando o futebol mais elitizado com diminuição de espaço para alguns jogadores talentosos e torcedores de times do interiorzão.

487 total views, 0 views today

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *